Logo



Menu

Posts Recentes



27 de novembro de 2017

Plantas induzem lagartas ao canibalismo!

Lagartas de Spodoptera exigua, a espécie utilizada no experimento, alimentando-se em flor de crisântemo | Nigel Cattlin.

As plantas têm se demonstrado cada vez mais maquiavélicas. Não bastava escravizarem formigas, recrutarem vespas parasitoides para comerem seus inimigos vivos, enganarem polinizadores e até mesmo, segundo alguns, domesticarem os seres humanos. Agora foi descoberto, segundo um artigo publicado este ano, que os tomateiros, quando estão sendo atacados por lagartas, induzem-nas a cometerem canibalismo para se livrar do ataque. Uma jogada de mestre, com uma pitada de cinismo.

estudo foi realizado por John Orrock, Brian Connolly e Anthony Kitchen, da Universidade de Wisconsin (Madison, EUA). Já se sabe que plantas, quando estão sendo atacadas por herbívoros, lançam no ar substâncias químicas de alarme, como o metil-jasmonato. Essas substâncias, ao entrarem em contato com outras plantas, modificam a fisiologia delas, fazendo-as se prepararem para um ataque de herbívoros mesmo que esses ainda não tenham chegado. Trata-se, na verdade, de uma espécie de comunicação entre elas, como se uma dissesse “Alerta!!! Estou sendo atacada! Cuidado!!!”, e as outras, ouvindo essa mensagem, se preparassem para o ataque iminente, do jeito que as plantas podem. A maneira mais fácil e comum é a de sintetizar substâncias químicas que tornam as folhas desagradáveis para serem comidas, ou até mesmo tóxicas, como faz a planta de tabaco ao sintetizar nicotina (e nós, humanos “espertos”, fumamos essa substância de defesa).

Algumas lagartas de mariposa, apesar de serem principalmente herbívoras, às vezes cometem canibalismo, especialmente se a qualidade do alimento vegetal não for boa. O que Orrock e colaboradores perceberam é que tomateiros que eram expostos ao metil-jasmonato sintetizavam substâncias nas folhas que as tornavam mais indigestas, de modo que as lagartas que estavam sobre elas acabavam comendo outras lagartas e iniciavam o canibalismo mais cedo do que é comum para a espécie e com mais intensidade. Para a planta, isso é extremamente vantajoso, afinal, enquanto a lagarta está ocupada mastigando suas companheiras, ela come muito menos material vegetal. Além disso, tal comportamento reduz drasticamente a quantidade de outras lagartas sobre a planta, diminuindo muito a herbivoria.

Tomateiros que não haviam recebido o sinal de “alerta”, ou que receberam baixas doses de metil-jasmonato, até tentaram começar a sintetizar as substâncias que induziam ao canibalismo quando as lagartas eram colocadas sobre eles; porém eles já estavam atrasados e às vezes só conseguiam mudar alguma coisa no comportamento das lagartas quando já estavam quase completamente devorados. Esse estudo, junto de outros que vêm sido feitos ao longo dos últimos anos, demonstram como é importante, para as plantas, a comunicação. Plantas comunicam-se o tempo inteiro, e não só entre elas, mas também com animais, fungos e micro-organismos. Isso permite uma dinâmica na natureza que colabora com a estabilidade e equilíbrio dos ecossistemas, evitando, por exemplo, que herbívoros devorem demais um determinado grupo de plantas. Como dizia o Chacrinha, figura icônica da televisão brasileira que neste ano completaria 100 anos de idade, “quem não se comunica, se trumbica!”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário