Logo



Menu

Posts Recentes



15 de junho de 2017

"A Era do Gelo" sob o olhar de um paleontólogo



Texto por: Sophia Cassol, Thais Macedo e Vivian Fragoso


    A “Era do Gelo” é uma animação fictícia, no entanto inspirada na realidade. Muitas crianças (e até adultos) talvez não saibam que um dia a Terra já foi como mostra o filme. Na verdade, a Terra passou por muitos momentos em que estava bastante coberta por gelo. Períodos longos com temperatura média baixa são conhecidos como glaciações. Ao longo da história geológica quatro glaciações foram registradas: Glaciações Paleoproterozóicas (2,3 bilhões de anos), Glaciações Neoproterozóicas (cerca de 700 milhões de anos), Glaciações Paleozóicas (400 a 200 milhões de anos) e Glaciações Quaternárias (2,5 milhões a 10.000 anos), da qual faz parte a glaciação do final do Pleistoceno.
    A Era do Gelo, ou glaciação do final do Pleistoceno, foi a última glaciação da Terra. Nesta época, grupos de animais atuais já existiam, incluindo os humanos. Os protagonistas da “Era do Gelo” fazem parte de grupos bastante conhecidos pelos paleontólogos, sendo a grande maioria extinta. Muitas outras espécies também habitaram as terras geladas do Hemisfério Norte, principalmente no norte da América do Norte, da Europa e Ásia. Quem eram os personagens do filme na vida real, como eles viviam e se realmente viveram durante a Era do Gelo são algumas perguntas que serão respondidas ao longo do texto.
    No início do filme aparece o esquilo Scrat, com dentes grandes e fissurado pela sua noz. Realmente existiu um mamífero similar a ele, mas que alimentava-se de insetos, e não de nozes. No entanto, os fósseis desse animal, denominado Cronopio dentiacutus, só foram encontrados em 2006, na Patagônia, Argentina. E surpresa, ele não viveu durante o Pleistoceno, e sim no final da Era Mesozóica, junto com os dinossauros. Para a paleontologia esse foi um importante marco nos registros de mamíferos da América do Sul.
Figura 1: Esquilo Scrat do filme “A era do gelo”
    Mudando de escala, Manny é um mamute que pode ser uma dentre as várias espécies de mamutes (gênero Mammuthus) que viveram no Pleistoceno. Os mamutes surgiram no norte de África (M. africanavus) e chegaram até a América Central (M. columbi), passando pelo estreito de Bering em dois momentos diferentes. Assim como os elefantes atuais, os mamutes eram herbívoros.
    Sid, a preguiça da Era do Gelo, deve ter sido criada com base nas extintas preguiças terrícolas que existiram nesse período. A grande diferença entre as preguiças atuais e as extintas, além do seu tamanho, é o hábito de se locomover pelo solo, assim como ursos.
    Seguindo para os carnívoros, Diego é um tigre dente de sabre que passa o filme tentando capturar Sid. Os tigres dentes de sabre possuíam uma formidável arma de ataque, os seus caninos. Assim, conseguiam predar grandes animais como   cavalos, antílopes e até mesmo, jovens mastodontes. Eles habitaram as Américas, Europa, Ásia e África.
Figura 2: Principais personagens da animação infantil “A era do gelo”. Ao fundo, o tigre dente de sabre Diego e o mamute Manny e em primeiro plano a preguiça Sid.
    Outros animais importantes do Pleistoceno também aparecem no filme, como os gliptodontes e brontotérios. Nem todos conviveram espacialmente ou temporalmente, mas ficou claro que houve uma pesquisa satisfatória em relação a fauna pleistocênica retratada pelo filme. Por fim, a relação homem e megafauna mostrada, torna plausível a hipótese da extinção desse grupo pela ação antrópica. 

Figura 3: Brontotérios da animação infantil “A era do gelo”

Nenhum comentário:

Postar um comentário